.mais sobre mim

.livro de reclamações

mail: dragao.azull@sapo.pt msn: dragao.azull@hotmail.com hi5: dragaoazull.hi5.com

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FIM

. Santamaria - "Castelos na...

. Angel

. modern talking--you're my...

. Milénio - Meu Universo és...

. A BOLA VAI ROLAR...

. BLOGS.... POLITICA.... SA...

. Macy Gray - I Try

. bailar pegados

. Ser corno ou não ser...

.arquivo

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.apito encarnado

[CoNtRa dOSsiEr], o apito Bermelho

.sic

.visitante

www.e-referrer.com
blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007

SETEMBRO

Regresso às aulas:

 

2007-09-03 - 00:00:00

Educação: Nota menor que 14 dá exclusão

Governo só quer admitir professores brilhantes

O Ministério da Educação quer barrar o acesso à carreira docente dos jovens candidatos a professores que não usem correctamente a Língua Portuguesa.

O Estatuto da Carreira Docente exige que os futuros professores façam uma prova de ingresso na profissão. Na proposta de portaria que regulamenta o estatuto, o Governo é claro: os erros gramaticais, as más construções frásicas e uma maior dificuldade em falar em público ou expor ideias vão fechar as portas do ensino aos jovens licenciados. O documento estipula que, mesmo depois de cinco anos de universidade e o grau de mestre conferido em instituições cujos cursos são reconhecidos pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior, os professores sejam avaliados com três exames distintos.

A primeira componente do exame escrito, de duas horas, vai testar os conhecimentos de Português dos candidatos a professores. “O domínio escrito da língua portuguesa, tanto do ponto de vista da morfologia e da sintaxe, como no da clareza da exposição e organização de ideias” são essenciais para pôr à prova os docentes, a par da “capacidade de raciocínio lógico”. Este exame é comum a todos os candidatos. Na portaria, enviada aos sindicatos e que vai estar em discussão durante este mês, o Governo só não deixa claro se a avaliação também incide sobre erros ortográficos.

Numa segunda prova escrita, específica para cada área de ensino, o ministério quer “avaliar conhecimentos de ordem científicas e tecnológica” que atestem as competências dos licenciados. Numa vertente mais prática, o terceiro exame é oral e quer pôr à prova “o domínio de línguas, das ciências experimentais, das tecnologias de informação e das expressões”. Ou seja, quer-se avaliar a postura do candidato, a forma como fala, os erros linguísticos que comete e a forma como lida com as novas tecnologias.

Os sindicatos temem que, com os nervos, os candidatos cedam e percam a oportunidade de aceder à carreira. O docente é obrigado a obter um mínimo de 14 valores em cada um dos exames. Se falhar, repete a prova no ano seguinte, até um máximo de três tentativas.

AVALIAÇÃO É FEITA POR MAIS EXPERIENTES

O candidato a professor pode pedir reapreciação da prova, mas apenas pode fundamentar o recurso apoiando-se na “discordância na aplicação dos critérios de classificação” e na “existência de vício processual”. Qualquer outro tipo de fundamentações serão liminarmente excluídas. Uma questão que a portaria deixa em aberto prende-se com os requisitos exigidos aos professores que vão avaliar e corrigir os candidatos à docência. O secretário de Estado Jorge Pedreira confirmou ao CM que a escolha será “baseada na experiência”, sem contudo avançar com um número mínimo de anos de ensino. No concurso de colocação de professores deste ano ficaram de fora 45 mil dos candidatos à contratação. Os sindicatos estimam que cerca de 13 mil professores que deram aulas em 2006 não ficaram colocados.

Diana Ramos

Fonte Correio da Manhâ




sinto-me:
publicado por Dragão Azul às 15:12

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Cris a 4 de Setembro de 2007 às 00:38
Isto sim é polémico, é importante que se saiba e interessantíssimo... interessa verificar se os profs escrevem, pensam e falam bem. Não é importante, no entanto que os governantes digam e façam disparates e saiam impunes...
Vive la Tugueland!!!!


Gostei do post.... bravo Dragão...Tu sim pões os dedos nas feridas...

Boa terça!
De Dragão Azul a 4 de Setembro de 2007 às 12:04
Cris, espera lá....... tens razão quando comparas as regras que os governos fazem com os diaparates que que os politicos sistematicamente fazem.... mas, não sera justo esta regra ou outra qualquer para escolher os melhores profs para cada disciplina? É claro desde que as regras sejam justas para todos. Ha disciplicnas em que no fim do curso os professores têm emprego garantido mesmo que sejam maus profs, isto sera justo? Não me parece.
Dou-te um exemplo que não tem nada a ver com profs....
Se quiseres abrir uma empresa não interessa de quê, desde que tenhas dinheiro para investir só tens que seguir as regras do mercado e as leis qie essa actividade se rege. alguém te pergunta se perceber alguma coisa sobre essa actividade? Se tens alguma qualificação? Se tiveste alguma formação? Não, não te perguntam nada só te perguntam se nessa actividade as leis o obrigarem. Quem quiser ter formação ou ser qualificado para uma actividade, tem quem não quiser, não tem.
Não sei como é nos outros países mas em PortOgal é assim que funciona.
Como português só quero os melhores profs para cada disciplina, os melhores gestores a gerirem as empresas, os melhores empregados colocados e não a lei da cunha.
A lei da rolha dificilmente desaparecera em Tugaland.

Quanto ao assúnto ser polémico... eheheheheheh... tu é que fizeste dele polémico.... eheheheheh
De cris a 4 de Setembro de 2007 às 21:54
Dragão, concordo contigo no que diz respeito a querer o melhor profissional. Agora não percebo é porque é que só no final avaliam estas capacidades de um professor. E as outras? As de avaliar e preparar devidamente todos os procedimentos que a vida de um docente exige e que só se aprende depois de 'lançado às feras'?
Será que a qualidade do ensino está deteriorada pela má formação dos professores? Não haverá uma distorção da realidade em toda a latitude? Os docentes devem ser avaliados sempre, onde estão os critérios rigorosos? quem os aplica? quem avalia o avaliador? que transparência é possível? Dava pano para mangas este assunto. Mas concordo contigo no que diz respeito à necessidade de avaliação. No entanto, num país como o nosso, a transparência e a motivação são tão escassas que atemoriza o comum dos mortais... ou não?
De Dragão Azul a 4 de Setembro de 2007 às 22:50
Como eu disse, o melhor profissional no lugar certo, avaliação continua com criterios transparentes e cada profissional avaliado de igualdade com os outros, não avaliação feita de caso para caso porque isso não é transparencia. Como é que um profissional pode ter motivação quando estão sempre a mudar as regras? Quer se goste ou não as regras não devem de ser mudadas a meio e é isto que esta sempre a acontecer, muda o governo muda as regras, neste país não á projectos a longo prazo, o prazo de um projecto é o proximo governo, e isto não estou a falar da função publica (incluindo profs) estou a falar em tudo.
Este país vive ás cores por isso não contem comigo para alimentar governos e politicos, por isso não tenho cor politica, por isso na hora de votar, voto naquele que me parece que vai fazer um trabalho menos mal, o que curioso é que em quem eu voto perde sempre, mas isso nada me chateia.
....
....
....
....
Boa Quarta

Comentar post

.links

.nota

As fotografias, alguns textos e vídeos visualizados neste página são provenientes de várias fontes: jornais; sítios oficiais e não oficias; órgãos de comunicação social e bases fotográficas estrangeiras; e motores de busca (Google). Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.