.mais sobre mim

.livro de reclamações

mail: dragao.azull@sapo.pt msn: dragao.azull@hotmail.com hi5: dragaoazull.hi5.com

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FIM

. Santamaria - "Castelos na...

. Angel

. modern talking--you're my...

. Milénio - Meu Universo és...

. A BOLA VAI ROLAR...

. BLOGS.... POLITICA.... SA...

. Macy Gray - I Try

. bailar pegados

. Ser corno ou não ser...

.arquivo

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.apito encarnado

[CoNtRa dOSsiEr], o apito Bermelho

.sic

.visitante

www.e-referrer.com
blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA - Parte 2

Partem caravelas

 

Há muito tempo - antes de que existisse a abundância de bens de consumo a que agora estamos habituados - a sabedoria popular considerava o nascimento de uma criança como o receber de um dom, de uma prenda sem preço.

As nossas avós repetiam isto, com aquele espanto sempre renovado perante o mistério da vida.

Agora, o nascimento de uma criança é frequentemente considerado como uma catástrofe. Deve ser evitado a todo o custo. Prefere-se mil vezes que nasça uma vaca a que nasça uma criança.

A vaca é útil.

Faz-se aquilo que for preciso para evitar um nascimento. Mesmo que seja a esterilização; mesmo que seja o aborto.

As crianças eram antes bem vindas, mas agora não são.

Que foi que perdemos entretanto? Como pudemos chegar a este ponto?

É verdade que nos tornámos materialistas. Tudo se tornou para nós num negócio. Todos os nossos pensamentos giram agora à volta de números: crédito, débito...mensalidades, multibanco...

Nasceram-nos calos nos dedos, de tanto contarmos dinheiro.

Mesmo as poucas crianças que deixamos nascer são fruto de umas quantas contas, feitas antecipadamente com todo o cuidado.

Não parecem ser resultado do amor. São filhas do cálculo.

E dizemos: "Agora ainda não; mais à frente se verá". Fazemos contas. Fazemos sempre muitas contas.

Pesamos muito bem os prós e os contras. Quanto trabalho nos darão? Quanto tempo nos farão perder? Que bens teremos para lhe dar? E - temos de reconhecer que fazemos esta pergunta - que ganharemos com a vinda desse ser? Que trará ele à nossa vida?

O que aconteceu, porém, não foi apenas termo-nos tornado materialistas.

É que continuamos, cada vez mais, a falar dos direitos humanos. Trazemo-los na boca com uma facilidade que impressiona. Ora os direitos do homem começam pelo direito a nascer, evidentemente.

Quando, com a boca cheia, dizemos direitos humanos estamos a referir-nos apenas aos nossos próprios direitos. Ao nosso direito ao bem-estar, à  comodidade e à satisfação dos nossos apetites.

Falamos de direitos humanos - nós os que contamos dinheiro e fazemos abortos - e, por isso, somos hipócritas.

Acrescentámos ao materialismo a hipocrisia.

Não sei como suportamos olhar-nos ao espelho.

Transformámo-nos em canalhas e não demos conta disso.

Uma criança é, antes de mais, um dom. O dom mais belo que uma mulher pode oferecer ao marido; o dom mais belo que um homem pode oferecer à sua mulher; o dom mais belo que uma família pode oferecer à sociedade.

É verdade que um filho que nasce não produz nada de material, e que não recebemos grande ajuda do Estado, e que teremos de gastar muito dinheiro com ele. Mas, ao mesmo tempo, um filho é um poderoso estímulo para os pais, que desejam oferecer-lhe um ambiente agradável, uma boa educação, roupa, férias.

É também um estímulo para os poderes públicos, que terão de se modernizar, de melhorar as infra-estruturas e o sistema educativo.

Mas se calhar não estamos dispostos a receber estímulos. Estamos muito bem assim como estamos. Temos a barriga cheia, aquecimento em casa e uma conta confortável no banco. Não estão a correr nada mal os nossos planos para em breve podermos comprar um novo carro, ou para, finalmente, fazermos aquelas férias com que sempre sonhámos.

Aventuras? Sim, ouvimos falar delas nos bancos da escola.

Que grandes homens eram esses nossos antepassados que atravessavam mares imensos naquelas frágeis caravelas! E que vidas cheias tinham!

Ter uma criança significa que aceitámos embarcar numa dessas caravelas que, através de mares desconhecidos e tormentas, tentaremos levar a um bom porto. E que não há caminho de regresso.

Mas hoje o nosso sonho não vai sequer até à beira-mar. O nosso olhar tem um horizonte que não ultrapassa o nosso umbigo; que não chega sequer lá, no caso de a barriguinha estar demasiado pejada de prazeres...

De cada vez que parte outro navio nós ficamos a olhar. Somos sempre daqueles que ficam na praia.

Terra firme! Terra firme! As mãos e os pés bem apoiados, não vá acontecer qualquer coisa...

De cada vez que parte outro navio sentimos - mas fazemos por esquecer isso depressa... - que há algo em nós que gostaria de ter partido também. São vestígios das loucuras da juventude, pensamos. E rapidamente fazemos por retornar ao "bom senso"...

É também isso: envelhecemos antes de tempo. Revestimos de cinza a alma que devia ter ainda as cores do sonho e do ousar.

E quando às vezes - talvez num passeio pelo parque ou na missa do Domingo - deparamos com uma família daquelas que têm muitos filhos, a mexerem-se agitadamente em brincadeiras e risos, calamos um não-sei-quê de inveja. Apressamo-nos a pensar coisas do estilo de "Estes pais são loucos... Nos tempos que correm...".

O que nos acontece é que estamos a precisar de um pouco dessa "loucura" de ousar.

"E como seria depois?", perguntamos prudentemente.

Depois... - sirvo-me de novo da sabedoria popular - cada filho que chega traz um pão debaixo do braço.

 

Paulo Geraldo

 

tags:
publicado por Dragão Azul às 09:16

link do post | comentar | favorito
|

.links

.nota

As fotografias, alguns textos e vídeos visualizados neste página são provenientes de várias fontes: jornais; sítios oficiais e não oficias; órgãos de comunicação social e bases fotográficas estrangeiras; e motores de busca (Google). Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.