.mais sobre mim

.livro de reclamações

mail: dragao.azull@sapo.pt msn: dragao.azull@hotmail.com hi5: dragaoazull.hi5.com

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. "Conta-me como foi..."

. FALTA DE DINHEIRO NO TELE...

. BOM FIM DE SEMANA

. FERIADO MUNICIPAL

. Segunda Feira

. POLITICOS?

. AVARIA NO TELEMÓVEL

. QUE POLITICOS TEMOS EM PO...

. MAPA DE PORTUGAL

. KARAOKE - Quem já experim...

.arquivo

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.apito encarnado

[CoNtRa dOSsiEr], o apito Bermelho

.sic

.visitante

www.e-referrer.com
blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

"Conta-me como foi..."

"Conta-me como foi" é uma série de ficção produzida pela RTP e adaptada da série espanhola "Cuéntame cómo pasó" produzida a partir da ideia original de Grupo Ganga Producciones. Como a original, a série portuguesa tem como objectivo retratar de forma bem humorada o ambiente socio-económico desde finais da década de 60 do Século XX.

Generico

 

 

 

Enredo

 

 A acção inicia-se em Março de 1968 e relata a vida de uma família lisboeta, de apelido Lopes, de classe média baixa, oriunda da província, que se debate todos os meses com dificuldades financeiras que, ainda assim, permitem a aventura da compra de uma televisão mas que não deixam senão sonhar com a compra de um pequeno automóvel. Além do acompanhar das peripécias em que se vê envolvida esta família, a história é também contada pela voz de um narrador que, no presente já adulto, se recorda da infância vivida a partir de 1968, então com 8 anos. A história é contada pela voz adulta mas pelas recordações e olhos de uma criança. Ao ser contada a história da família, acompanha-se também a evolução social, económica e política de Portugal e do mundo, recorrendo a referências no guião, a arquivos e a reconstituições de conteúdos de rádio e televisão. Acontecimentos marcantes na vida política, social e desportiva em Portugal e no mundo podem ser aqui descobertos, enquadrados com a trama de cada de episódio. Curiosidades, publicidades, programas de rádio e televisão, locutores e apresentadores e as imagens de Portugal de 1968 a 1976 marcam também presença para serem conhecidos pelos mais jovens e recordados pelos menos novos. Apresentam-se na história a evolução da moda, da roupa aos cabelos, as inovações tecnológicas, novos produtos, publicações periódicas, carros e motas... as coisas de um tempo em que telemóveis com máquina fotográfica não seriam mais do que simples alucinação futurista e em que os jovens pensavam no Festival da Canção em vez de em coloridas séries juvenis. "Conta-me como foi" retrata, acima de tudo, o modo de viver e pensar de uma sociedade ainda fechada sobre si, os papéis e as ambições sociais de homem e mulher, de jovens e idosos, os tabus de uma época e a gradual e desconfiada abertura a novas mentalidades. "Conta-me como foi" tem o objectivo de retratar, em forma de ficção, a vida e o país desde 1968 mas sem espírito saudosista, sem abordagens moralistas, sem juízos de valor, sem tomar partido por nenhum lado da história, sem aspirações documentalistas. Possui a intenção de entreter, com a vontade de mostrar e dar a conhecer o passado, com a certeza de ser uma oportunidade descontraída de recordar, rever e reviver um tempo que faz parte da história pessoal de milhões de portugueses.

 

Conta-me como foi 01

publicado por Dragão Azul às 12:48

link do post | comentar | ler comentários (15) | favorito
|

.links

.nota

As fotografias, alguns textos e vídeos visualizados neste página são provenientes de várias fontes: jornais; sítios oficiais e não oficias; órgãos de comunicação social e bases fotográficas estrangeiras; e motores de busca (Google). Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.